Abril de 2020

TEMAS TEOLÓGICOS DO DEUTERONÔMIO

Ao prosseguir, nosso itinerário de busca e aprofundamento da Palavra de Deus, especificamente, do livro do Deuteronômio, chegamos a abril, mês em que celebramos a Páscoa. Tempo de renovarmos nossa aliança e compromisso com Deus e com nosso próximo. Tal gesto está em sintonia com o lema do mês da Bíblia para 2020: “Abre a tua mão para o teu irmão” (Dt 15,11).

O livro do Deuteronômio apresenta o discurso de Moisés dirigido ao povo antes de entrar na Terra Prometida. Moisés em seus últimos momentos de vida instrui e orienta seu povo a caminhar na presença de Deus sendo fiel à aliança estabelecida com Ele. Esse discurso não se trata de um texto meramente legislativo, mas de uma catequese ou um apelo a uma resposta amorosa do ser humano para com o Senhor (YHWH é o nome divino revelado a Moisés em Ex 3 e 6 e que é impronunciável para os judeus. Esse nome poderá ser substituído pelo termos “Senhor” ou “Eterno”).

As intenções teológicas presentes no Deuteronômio dão-se pela unicidade de Deus, do povo, da lei, da terra e do santuário. A insistência em relação a essa unicidade é evidenciada pela fidelidade a Deus e a não quebra dessa aliança, que Ele desejou retomar com seu povo e que poderá conduzi-lo a uma fraternidade autêntica.

Um único Deus: “Ouve ó Israel: YHWH (Senhor) nosso Deus é UM”. (Dt 6,4). Aqui, o famoso shemá pode funcionar como um comentário ou desdobramento do primeiro mandamento. Essa ordem pode ser entendida muito mais do que uma renúncia à idolatria, pois a unicidade de Deus exige a entrega total e sem reservas. Significa despojar-se daquilo que distancia Israel dessa aliança de amor renovada por Deus.

Essa unicidade de Deus estabelece a necessidade de um povo: “pois tu és um povo consagrado a YHWH teu Deus: foi a ti que YHWH teu Deus escolheu, para que pertenças a ele como seu povo próprio, dentre os povos que existem sobre a face da terra” (Dt 7,6). Israel é diferenciado dos povos, não por ser melhor, mas por ser escolhido, eleito por Deus e passa a ser propriedade exclusiva do Senhor. Essa afirmação pode ser entendida como uma relação de proximidade estabelecida entre Deus e o povo.

Com relação à lei, ela é dada como dom e instrui Israel a um contato maior com Deus e com o próximo. A nova aliança que Deus faz com seu povo diferencia-se dos tratados que eram feitos dos vassalos para com seus soberanos. Nos tratados, os vassalos deveriam amar seu soberano sem esperar nenhuma reciprocidade. Na nova aliança, Deus amou por primeiro seu povo e se colocou como um Pai.

Outro elemento teológico é a unicidade da terra.  Toda a temática da terra permeia o Pentateuco, e se fundamenta no amor de Deus por Israel, desde os seus antepassados. A terra é concedida a Israel não por merecimento, mas graças à promessa dada por YHWH aos patricarcas e matriarcas, como podemos verificar em Gn 12,7, sendo confirmada em Dt 34,4. Moisés não entra na Terra Prometida, mas contempla o espaço prometido por Deus (Dt 34,1-4).

O último aspecto teológico, que podemos apontar, é a centralidade num único Santuário, que não é dito o nome, mas podemos supor que seja o de Jerusalém. A centralização do culto mostra mais uma vez essa unicidade presente em todo o livro. Isto se reforça na afirmação de que há um só Deus; portanto, há de se ter um lugar exclusivo para que esse único Deus seja cultuado. Podemos ver claramente esse elemento em Dt 12,5-14.

O livro do Deuteronômio traz em si um grande valor social. A pedagogia do amor é tratada de diversas formas e aspectos que englobam o relacionamento com Deus e com a humanidade. Outras temáticas também são tratadas como a liderança, o cuidado com a família, a ética, a segurança.

Em tempos de pandemia, um bom exercício é retomarmos os textos do Deuteronômio e para perceber quão atuais eles se tornam, convida-nos a renovar dia após dia nossa aliança com Deus. Essa renovação se dá pelo testemunho do amor e na solidariedade mútua.

Pausa para refletir

1 – Quais os maiores desafios para manter a fidelidade à essa aliança de amor que Deus renova com seu povo, e conosco permanentemente?

2 – Nos dias de hoje quais são os ídolos que acabam por tomar o lugar que pertence a Deus em nossas vidas?

3 – Na atual conjuntura mundial, vivemos um tempo difícil sob a ameaça de uma pandemia que se alastra progressivamente. Em que aspectos a teologia presente no Deuteronômio pode nos ajudar a dar-lhe uma resposta pelas vias da ética e da solidariedade?

Atila Mariano de Almeida