ARTIGOS

Comunicação e Pastoral

Agnes Quaglini, fsp

A memória do mistério da encarnação que celebramos com toda a Igreja nos leva a refletir sobre o significado profundo do Cristo que se faz um de nós para tornar-se próximo de cada pessoa em sua condição humana. Isto evoca o sentido pastoral da missão de salvação e de redenção que se deve perpetuar no mundo. O “fazer-se próximo” de cada irmão e irmã para comunicar o mistério de Deus.

A dimensão pastoral da comunicação foi o objetivo principal apontado por Tiago Alberione (fundador das Irmãs Paulinas) para o trabalho apostólico, sempre voltado a captar as necessidades fundamentais do homem e da mulher no tempo presente, para indicar-lhes o caminho que dê acesso a uma plenitude de vida que tem a sua fonte e a sua meta na realização do plano de Deus a respeito de cada pessoa e a respeito de toda a humanidade.

A visão dinâmica do homem e da história, tão presente no pensamento do Padre Alberione, o fez indicar as linhas mestras da sua missão, emanada da sua interioridade evangélica, do seu estilo de pensamento e de ação, sempre sóbrio, conciso, substancial e incisivo, bem apoiado na Palavra de Deus. Ele conservava a certeza da missão que lhe fora confiada por Deus; mantinha o sentido da essencialidade do apostolado que deve sempre ser uma total emanação vinda do Cristo, capaz de encarnar-se nas situações concretas, fazendo tesouro da própria experiência e convidando os seus filhos a fazer o mesmo, porque a “história humana e pessoal é mestra da vida…”.

O espírito pastoral, e isto ele nos ensinou, é comunicar Cristo, o Mestre, é querer formar uma mentalidade nova na sociedade, o que significa imprimir uma marca, um endereço novo. É procurar os seres humanos lá onde estão servindo-nos de todos os meios do progresso a fim de “pregar o Evangelho para toda criatura”.