Dezembro de 2019

É Natal! Jesus permanece em nós, entre nós!

Diante do presépio

“somos chamados a refletir sobre a responsabilidade

que cada cristão tem de ser evangelizador.

Cada um de nós torna-se portador da Boa-nova

 para as pessoas que encontra, testemunhando

a alegria de ter conhecido Jesus e o seu amor;

e o faz com ações concretas de misericórdia”

(Papa Francisco, Carta Apostólica Admirabiles Signum, §9).

Mais um dezembro! Mais um ciclo de vida vai se encerrando. Um ano que se vai… com um natal que vem ao nosso encontro! Vem nos ofertando, para esse novo ano, uma oportunidade para renovar nossas vidas. Como é significativo compreender que podemos nos preparar para iniciar esse novo tempo, a partir da celebração do nascimento de Jesus. Sim! Para o ano que se anuncia, por que não nos empenharmos em deixar Jesus nascer em nós? Que tal fazer desse Natal um caminho que leva a sabedoria gerada em nossa vivência, as nossas experiências, nossos erros e acertos, alegrias e angústias, êxito e fracassos a um novo ano, com renovado desejo de sermos mais fraternais, mais solidários, cristãos?

Como? Tendo como fonte de inspiração a humanidade de Jesus e permitindo nos envolver por sua divindade. Façamos de nosso coração a manjedoura para abrigar o Menino Jesus. E, para preparar o aconchego desta manjedoura, onde possa florescer o nosso propósito em permitir e deixar que Jesus renasça em nossa vida. Aqui vai uma dica: neste período, que antecede o Natal, podemos apropriar-nos das reflexões que partilhamos ao longo deste ano, a partir da Primeira Carta de João. Não seria interessante?

O autor de 1Jo tinha urgência em se contrapor àqueles que negavam a encarnação e divindade de Jesus. Ora, o que é o Natal senão a oportunidade de reafirmar a encarnação e divindade do Messias? De viver a alegria do nascimento do Filho de Deus Encarnado? Quer forma mais eloquente e bela para reiterar que compreendemos nosso autor, afirmando que também nós acreditamos e bendizemos a vinda de Jesus, Filho de Deus?

Mas como o autor nos recordou, não basta acreditar que Jesus, a Palavra Viva, veio e permanece entre nós. É preciso testemunhar sua presença no quotidiano de nossa existência. É preciso viver a sua presença. Então, por que não nos propormos a vivê-la no ano que vem chegando?

E, porque é Natal…, vivamos a comunhão com o Pai, o Filho e os irmãos. Que a celebração do nascimento de Jesus nos inspire em nosso propósito de renascer em Jesus Cristo, para 2020. Que o Espírito nos ilumine diante do Caminho de Luz, que se contrapõe ao caminho das trevas e do pecado, para vivermos a comunhão com o irmão. Comunhão gerada na observância dos mandamentos, praticando a justiça, dando continuidade ao processo salvífico de Jesus, permanecendo no Pai (1Jo 1,5-2,28).

Porque é Natal… que a fé em Jesus, Filho de Deus, nos recorde que somos gerados por Deus, somos filhos de Deus, e, por isso, podemos vencer o mundo e alcançar a vida eterna. E para tal devemos nos opor ao mundo, ao maligno, aos ídolos. É preciso enfrentar nossas tentações em deixar o caminho do seguimento de Jesus. Vivamos, então, nossa escolha em sermos filhos de Deus (1Jo 2,29-4,6).

Porque é Natal… vivamos o amor e a fé. Porque o amor é dom e é o próprio Deus que toma a iniciativa de nos amar. E nesse amor que vem d’Ele, e que nos foi oferecido por meio de seu Filho, sejamos testemunhas de fé em Jesus, e ousemos apresentar ao Pai nossos próprios pedidos e interceder por aqueles que cometem pecados que não conduzem à morte (1Jo 4,7-5,13), conforme vimos nas “Dicas Bíblicas” de Novembro.

É Natal! Inspirados em 1Jo, celebremos na manjedoura de nossos corações a presença de Jesus em nós, e anunciemos sua encarnação em nosso meio. Se não somos testemunhos oculares, sejamos testemunhos de fé. À luz das reflexões de 1Jo, vamos celebrar e viver o nascimento de Jesus, acolhendo em nós o Menino Deus, de tal forma e com tal intensidade, que possamos dizer: “Não sou eu que vivo, é Cristo que vive em mim” (Gl 2,20)