ARTIGOS

Eclesiocom: mídia e religião na sociedade do espetáculo

Joana T. Puntel

Na última parte da Carta Apostólica Rápido Desenvolvimento, o papa João Paulo II exorta a todos os cristãos, e principalmente os comunicadores a “comunicar com a força do Espírito”. Na verdade, é somente com a luz e a sabedoria do Espírito que se pode enfrentar o “grande desafio deste nosso tempo”, o de manter “uma comunicação verídica e livre, que contribua para consolidar o progresso integral do mundo”.

E ainda a sabedoria vinda do Espírito que ajuda nas escolhas e no vencer as dificuldades da comunicação, quanto às “ideologias, à sede de lucro e de poder, às rivalidades e aos conflitos entre indivíduos e grupos”. Afirma o papa que, se por um lado, as modernas tecnologias oferecem e desenvolvem com enorme velocidade a comunicação, por outro, infelizmente, “não favorecem de igual modo aquele intercâmbio frágil entre uma mente e outra, entre um coração e outro, que deve caracterizar qualquer forma de comunicação ao serviço da solidariedade e do amor”.

No contexto da necessidade de discernimento e boas escolhas, no mundo da comunicação, João Paulo II lembra a todos que o apóstolo Paulo oferece uma mensagem incisiva a todos que estão comprometidos na comunicação social, isto é, políticos, comunicadores profissionais, espectadores. A afirmação consiste no seguinte, quando Paulo se dirige aos Efésios (4, 25-29):”despi-vos da mentira e diga cada um a verdade ao seu próximo, pois somos membros uns dos outros [.] Nenhuma palavra desagradável saia da vossa boca, mas apenas a que for boa, que edifique, sempre que necessário, para que seja uma graça para aqueles que a escutam”.

E João Paulo II, referindo-se aos trabalhadores da comunicação, demonstra o seu afeto e zelo de Pastor, num convite veemente a não nos deixar intimidar, e afirma: Não tenhais medo! E continua “não tenhais medo das novas tecnologias! Elas incluem-se ‘entre as coisas maravilhosas’, ‘inter mirifica’, que Deus pôs à nossa disposição para as descobrirmos, usarmos, fazer conhecer a verdade, também a verdade acerca do nosso destino de filhos seus, e herdeiros do seu Reino eterno”.

Fazendo ressoar varias vezes o “não tenhais medo!”, o pontífice, por fim, exorta a não temer a oposição do mundo, recordando que Jesus venceu o mundo. E preciso não ter medo das próprias fraquezas, porque cremos na palavra de Jesus que disse: “Eu estarei sempre convosco, todos os dias, até o fim do mundo” (Mt. 28,20). Por isso é preciso comunicar sempre a mensagem de “esperança, de graça e de amor de Cristo”.

A Carta Apostólica  Rápido Desenvolvimento foi escrita por João Paulo II e publicada ao mundo no dia 24 de Janeiro 2005, memória de S. Francisco de Sales, padroeiro dos jornalistas.