JUVENTUDE PAULINA, UM CHAMADO A COMUNICAR O EVANGELHO COM A VIDA

Ao optar pela vida religiosa, a jovem Gleyssica dos Santos Ferreira conta como é a sua caminhada desde o seu despertar vocacional até o postulado.

Por Taiane Oliveira

 

A juventude é conhecida como a fase das descobertas. Diariamente, acompanham-se histórias de jovens que buscam seu lugar no mundo, descobrir sua vocação não apenas profissional como também religiosa. Quando esta escolha foge ao que é considerado comum, é capaz de surpreender a todos que fazem parte da vida da pessoa. É o caso da paraense Gleyssica dos Santos Ferreira, 20 anos, natural de Vigia de Nazaré – PA, atualmente mora em São Paulo – SP e encontra-se no postulado da Pia Sociedade Filhas de São Paulo (Irmãs Paulinas). Ao optar pela vocação à vida religiosa consagrada, ela conta um pouco de sua história e caminhada vocacional.

Um chamado diferente – Ferreira é a segunda de quatro filhos de Manoel Ferreira e Alciléia Santos. Ainda criança, entre os seis e oito anos, manifesta o desejo pela vida consagrada. Este, associado à curiosidade pela vida das irmãs, cresce ao ouvir o programa “Caminho Aberto” realizado pelas Paulinas na Rádio Nazaré de Comunicação – PA. Com o apoio dos pais, a jovem vai a Belém – PA para, então, conhecer as irmãs.

Anos depois já está engajada no grupo de jovens de sua cidade e, quanto mais se envolve com as atividades de sua paróquia, mais se sente chamada por buscar “algo a mais”. Em 2015, participa junto a seu grupo de jovens, de uma semana missionária organizada por sua paróquia, durante a missa de envio, a jovem vê ao longe as irmãs que outrora lhe haviam despertado para a vocação à vida religiosa através do programa de rádio. Não chega a conversar com as irmãs neste dia, mas conta para sua mãe e esta após descobrir que uma das “Paulinas” estava em seu bairro, consegue entrar em contato com ela e falar sobre a história de sua filha.

O encontro entre as duas se dá ao final da missão, ela se lembra desse momento e diz que “nós nos encontramos e aí ela fez toda proposta vocacional pra fazer o acompanhamento. Eu aceitei, já que eu também sempre me interessei pelo carisma das paulinas. Eu acredito que é um carisma muito bonito, muito necessário pra Igreja: evangelizar com a comunicação”. Ao fazer o acompanhamento vocacional, Ferreira faz o seu discernimento e decide ingressar na congregação no início de 2017, no aspirantado, que corresponde à primeira etapa da preparação para a vida religiosa consagrada, em Belém – PA. Em 2019, vem para São Paulo – SP para a etapa seguinte, o postulado, no qual se encontra hoje.

Mudança de ares – Quando questionada sobre a experiência que fez ao mudar do Pará para São Paulo ela relata que ao chegar, se depara com uma realidade muito diferente da que vivia. A imensidão da cidade, o metrô, os prédios, o clima, as pessoas, que mesmo próximas ainda

se fazem distantes conectadas ao telefone, à internet, sem perceber aquilo que está ao seu redor. Ela partilha que tudo isso a ajuda a abrir o pensamento, possibilita o encontro com outras culturas, realidades diferentes da que convivia e isso a faz crescer.

Ferreira traz em suas raízes o Círio de Nazaré, ela o vê “como uma grande questão cultural”. Mesmo longe de seu estado natal, percebe que esta experiência com Maria é única e individual, pois “Maria vive a realidade do povo, é uma manifestação da religiosidade popular”. Além disso, recomenda a quem ainda não teve a oportunidade de participar do Círio que se proponha a fazer esta experiência.

Prestes a completar quatro anos na congregação, ela diz que está sempre aprendendo com a convivência junto às Irmãs Paulinas. Para ela, um dos principais aprendizados que tira desse tempo de caminhada é: “a abertura, também à universalidade, o respeito, o diálogo, isso que eu admiro muito nas Irmãs Paulinas. Fora o que eu aprendi em relação à Comunicação” (confira um trecho da entrevista).

Ao rever toda a sua caminhada, o testemunho que dá é de uma jovem que busca viver a universalidade, a acolhida, o serviço, o diálogo, a abertura e o aprendizado. No que diz respeito à sua formação acadêmica, Ferreira não tem uma área definida, mas já estudou música em sua cidade, também conta que gosta do contato com as pessoas que frequentam a livraria das Paulinas. Quando questionada sobre a existência de solidão na vida religiosa, ela afirma que desde que entrou tem se sentido povoada, embora reconheça a necessidade de viver momentos de encontro consigo mesma e com Deus.

Confiante na missão escolhida para sua vida, Ferreira se torna exemplo a todos os jovens que buscam a vida religiosa como projeto de vida. A menina que antes ouvia rádio no interior do Pará, hoje se prepara para ser uma comunicadora do Evangelho ao mundo. Alimentada pela força de sua juventude ela segue seu caminho de discernimento, amor e entrega.

 

Dados do Jornal Síntese

Título: Síntese

Boletim informativo do Laboratório de Jornal do SEPAC – Ano XX – n° 73 – Janeiro de 2020

Curso de Especialização Comunicação, Teologia e Cultura: teórico-prático – Versão Online

 

Expediente

 

SÍNTESE – Boletim informativo do laboratório de Jornal do Curso de Especialização Comunicação, Teologia e Cultura: teórico-prático – Versão Online.

Rua Dona Inácia Uchoa, 62 – Vila Mariana – CEP 04010-020 – São Paulo, SP –Tel: (11) 2125-3540 – www.paulinascursos.com/sepac 

Diretora: Dra. Helena Corazza, fsp

Orientadora Pedagógica: Dra. Joana T. Puntel

Jornalista Responsável: Silvia Torreglossa (MTb 28.167/SP)

Social Media: Gizele Barboza, fsp

 

Produção:

Carlos Alberto Souza

Celso Tomba

Gleyssica Ferreira

Pe. Carlos Caridade

Pe. Francisco Amaral

Pe. Gabriel Guarnieri sx

Pe. Pedro José Damázio

Roberto Pereira Silva

Taiane Oliveira