MISSÃO DISPONÍVEL

Jovem carioca deixa a praia para ser padre na Amazônia

Por Padre Francisco Amaral

Padre Carlos Caridade muda sua vida e se coloca à disposição para evangelizar a Amazônia. Nascido no bairro Engenho de Dentro, Rio de Janeiro, era como qualquer outro jovem da sua idade: gostava de festas e de praia. Torcedor do Botafogo, não dispensava um bom futebol.

De família mineira, Caridade é o sexto de nove irmãos. É batizado, recebe a primeira Eucaristia, o Crisma e chega a participar de um grupo de jovens da Congregação Mariana. Mas, como acontece com muita gente, vem e adolescência e se afasta da Igreja, por não se sentir atraído pelo que encontrava nela.

Ressuscitado ao terceiro dia – Aos 21 anos, por insistência da mãe e da irmã, inscreve-se em um encontro de três dias direcionado para jovens. Na realidade, seu plano era faltar ao encontro para acampar com os amigos. Mas decide dar uma chance para algo diferente. “Eu fiz um desafio pra Deus: se o tempo tiver ruim, chovendo, eu vou”, diz o padre, que talvez não contasse que o que iria acontecer: “Eu perdi feio. Foi chuva e mais chuva”, conclui.

O padre relata que nem sabia dizer o que sentia a partir daquele dia. A “experiência de Deus”, como ele mesmo descreve que viveu naquele encontro, foi muito forte. Ele explica: “Minha vida mudou. Foi uma conversão estilo São Paulo. Cortei com muitas situações e pessoas para viver uma vida nova.” O jovem, que agora já buscava algo diferente, confessou e comungou. “Chorei durante três dias lembrando o que aconteceu naquele encontro. Era a emoção de me sentir amado por Deus!”

“Fui seduzido por Deus” – Após o encontro, o jovem volta a participar da paróquia. Na época, prepara-se para prestar vestibular para o curso de odontologia, mas começou a sentir um ímpeto para a vocação sacerdotal. Por este motivo, passa por uma luta interior muito grande, por não se sentir digno do chamado. Pensava, “não é possível! Eu?! Tá de brincadeira! Tantos jovens melhores e mais santos do que eu…”. A questão foi resolvida quando Carlos lia um capítulo do Evangelho e uma frase lhe despertou atenção, “Jesus chamou os que Ele quis.” (Mc 3,13).

O jovem começa, então, a percorrer um caminho vocacional, sempre com o testemunho: “Fui seduzido por Deus”. Durante seis anos, foi religioso da Ordem dos Mínimos de São Francisco de Paulo, mas descobre que sua vocação era para o clero diocesano, assim, vincula-se à diocese de Petrópolis, RJ.

De Copacabana para o Amazonas – Durante todo este caminho, Caridade foi muito marcado pelo exemplo de despojamento dos padres missionários que conheceu, a maioria da Espanha e da Itália. O padre se perguntava, “por que um dia eu não me colocar a serviço da Igreja no Brasil para a missão?”.

Ao surgir a Comissão Episcopal para a Amazônia, despertando para a missão na localidade, sente uma grande alegria. Atualmente é missionário em de Parintins, município do interior de Amazonas, onde está há cinco anos. Ele comenta que lá “é outra temperatura – no caso, calor o ano todo -, outra culinária, mas um contínuo aprendizado com povo”. Vive de comunidade em comunidade, muitas delas pequenas e com poucos habitantes. O padre se gratifica em viver a realidade do povo e comer do que é oferecido (confira um trecho da entrevista).

Ecologia rima com tecnologia – Quando chegou a Parintins, queria levar o Evangelho e a Eucaristia, não imaginando trabalhar nos meios de comunicação. Conhece, então, a Rádio Alvorada, emissora católica da localidade e sente falta de um programa em que os padres pudessem ler e comentar o Evangelho de maneira simples e compreensível para o povo.

Após expor o assunto para a diretora da rádio, foi questionado se ele mesmo poderia ficar responsável por esta função. Aceita, afirmando não saber por onde começar. Começa com um programa de cinco minutos, com o nome “Palavra de Deus na vida”. Posteriormente, começa a apresentar também o programa “Meu Cristo Jovem”, que tem a finalidade de oferecer formação a partir dos documentos da Igreja.

Um tempo depois, é escolhido pelo bispo para ser o novo diretor do Sistema Alvorada de Comunicação, que atua na rádio, TV e mídias digitais. O padre se sentia despreparado, por não ter formação comunicação. “Foi um ato de fé. O bispo tá pedindo, é a Igreja”, diz o sacerdote. A rádio é mantida também com a ajuda de uma equipe de colaboradores, dentre os quais as Irmãs Paulinas fazem parte. A proposta do padre é tornar a linguagem da rádio atraente para a população da região, sem perder de vista a essência da evangelização.

Atualmente, Caridade é vigário da Catedral Nossa Senhora do Carmo. Para aprimorar a sua capacitação, realiza uma pós-graduação em Comunicação, Teologia e Cultura, da parceria ITESP-SEPAC.

Dados do Jornal Síntese

Título: Síntese

Boletim informativo do Laboratório de Jornal do SEPAC – Ano XX – n° 73 – Janeiro de 2020

Curso de Especialização Comunicação, Teologia e Cultura: teórico-prático – Versão Online

 

Expediente

 

SÍNTESE – Boletim informativo do laboratório de Jornal do Curso de Especialização Comunicação, Teologia e Cultura: teórico-prático – Versão Online.

Rua Dona Inácia Uchoa, 62 – Vila Mariana – CEP 04010-020 – São Paulo, SP –Tel: (11) 2125-3540 – www.paulinascursos.com/sepac 

Diretora: Dra. Helena Corazza, fsp

Orientadora Pedagógica: Dra. Joana T. Puntel

Jornalista Responsável: Silvia Torreglossa (MTb 28.167/SP)

Social Media: Gizele Barboza, fsp

 

Produção:

Carlos Alberto Souza

Celso Tomba

Gleyssica Ferreira

Pe. Carlos Caridade

Pe. Francisco Amaral

Pe. Gabriel Guarnieri sx

Pe. Pedro José Damázio

Roberto Pereira Silva

Taiane Oliveira