NOTÍCIAS

Seminário aborda o humano e as tecnologias

Com o tema central, “O humano na dinâmica da comunicação”, no sábado, 21 de setembro, o Serviço à Pastoral da Comunicação (SEPAC/Paulinas), provocou a reflexão e discussão ao redor do tema com especialistas das diversas áreas. Para os organizadores “a proposta deste seminário é refletir sobre o ser humano no contexto das mudanças tecnológicas”.

A conferência principal sobre o tema foi do jornalistas e doutor em Ciências da Comunicação pela Universidade Rio dos Sinos (UNISINOS), Moisés Sbardelotto que abordou a questão em quatro tópicos: o humano e a técnica; Humanismo, antropocentrismo e paradigma tecnocrático; a cultura digita e as metamorfoses do humano; por um (pós-) humanismo (digital) integral. A seguir, os debatedores, Prof. Dr. Jorge Miklos da Universidade Paulista (UNIP) e Profa. Dra. Joana T. Puntel do SEPAC, fizeram suas considerações ao redor do tema.

À tarde os participantes se reuniram por grupos de interesse, para aprofundamento dos desafios que se apresentam nas diferentes áreas como Comunicação e Educação, coordenado pelo prof. Dr. Ismar de Oliveira Soares, ECA-USP; Comunicação e Religião, coordenado por Jorge Miklos e as Tendências da comunicação, coordenado por Moisés Sbardelotto. Após duas horas de reflexão nos grupos, em plenário, representantes trouxeram pontos focais considerados por eles.

Para o Celso Tomba, “o Seminário ‘O humano na dinâmica da Comunicação’, promovido pelo SEPAC/Paulinas, me deu a oportunidade de ter contato com vários especialistas e suas reflexões, me provocando a pensar sobre como lidamos com as diversas esferas da Comunicação, especialmente a forma como o ser humano tem sido engolido pela tecnologia. Na velocidade de nossa sociedade e no imediatismo que as mídias sociais nos proporcionam, somos empurrados a entrarmos nesse ‘carrossel’ insano, em nome de “estarmos na mídia”. Precisamos refletir mais sobre o porquê fazer e tomar cuidado para não sermos engolidos pelo como fazer”.

Participaram cerca de 60 pessoas, entre eles profissionais da comunicação, profissionais liberais, agentes das diversas pastorais, educadores, religiosas e pessoas interessadas no assunto.